Dispêndio Brasileiro em C&T em 2010

Saiu recentemente no site do MCT as estimativas para 2010 do dispêndio em ciência e tecnologia do Brasil para o ano de 2010. Eu olhei para esta estatística nos anos passados, quando publiquei este e este artigos. O primeiro foi uma reclamação contra a Nature, que parecia querer publicar um gráfico de aspecto mais belo do que realmente deveria ser, bem na véspera de uma eleição presidencial.

Os valores atuais não mostram nada desesperador, nenhuma crise como no período de 2001 a 2004. Há apenas uma desaceleração no valor investido, que vem decaindo desde um pico em 2007, mas que ainda supera o período anterior. Podemos observar também a grande subida no índice do dispêndio em relação ao PIB em 2009, que se deve na realidade ao fato de que o PIB cresceu muito pouco naquele ano, enquanto os investimentos não pararam.


Vamos então aos gráficos. O primeiro mostra em barras vermelhas o valor absoluto do dispêndio ano a ano — se não estou enganado, não são valores corrigidos pela inflação. Não é bom ver estes valores desta forma, porque é só uma curva crescente mais-ou-menos exponencial, não dá pra identificar direito nenhum tipo de inflexão na taxa de crescimento. Por isso plotei o segundo gráfico, abaixo, com as barras azuis. Estas barras são o crescimento do dispêndio com relação ao valor do ano anterior, para cada ano. Aqui sim podemos ver claramente que o crescimento flutuava em torno dos 12% a cada ano, depois teve uma aceleração abrupta em 2007 levando o crescimento para mais de 20%, mas agora está desacelerando, chegando a 18.4% em 2010.

Curva azul no primeiro gráfico mostra o índice do dispêndio em C&T com relação ao PIB de cada ano. 2009 foi um ano sem crescimento, com até levíssima recessão (devido à crise mundial, etc). Os investimntos em C&T, entretanto, não pararam de crescer, e por isso a curva tem uma inclinação bem grande em 2009. Em 2010 ela já retoma um ritmo que aparenta mais normalidade, olhando para os valores desde 2006. A taxa média de crescimento anual desde 2005 e 2006 é de 17.4% e 18,7%, respectivamente, a grande diferença se devendo ao desempenho de 2007. Já o aumento médio da fração de investimento em C&T tem sido de 7.8 a 9.2 pontos percentuais a cada ano. Se neste passo podemos alcançar os desejáveis 2% em 3 a 5 anos.

Tomara que leve menos ainda do que isso, e sem recessões no PIB!…

E de preferência com aumento nas bolsas de pós-graduação. É um tema que abordava muito aqui, mas já cansei, mas adivinha só: ainda não teve aumento desde 2008. São três anos e meio sem aumento e mais de 20% de inflação incidindo. No meio-tempo já aumentaram bastante o número de bolsistas, mas nada de reajuste. Seria bom ver esta estatística de dispêndio em C&T, que tem uma aparência satisfatória, se refletir na vida dos bolsistas.

E pra fechar, vai aqui como brinde um gráfico log-log dos valores absolutos do PIB e do dispêndio em C&T. Dá pra ver em 2009 como a curva fica quase horizontal devido à pouca variação do PIB, enquanto que o dispêndio continuou crescendo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: