Acompanhando o garrote

Desde que saiu a inflação de Abril, de quase 0,4%, estou procurando uma desculpa para atualizar aquele meu velho mas atual gráfico mostrando os aumentos, e a desvalorização pela inflação do valor das bolsas de pós-graduação do governo federal ao longo do tempo. Da última vez comparei com os salários dos professores, e vimos que a tão falada proposta de lei do dep. Jorge Bittar para atrelar o valor das bolsas precisa desesperadametne ser atualizada, se é que é mesmo uma boa ideia atrelar os salários de 60.000 bolsistas a uma única categoria do complexo e variado quadro de salários da carreira do magistério superior.

Desta vez resolvi comparar com a famosa bolsa da FAPESP, ensejado ainda por um comentário no velho artigo. A FAPESP sempre pagou valores acimadas bolsas federais, e tem fama de ser mais responsável. Vamos ver entretanto que o cenário não é tão belo quanto pode parecer em conversas acaloradas.

Desvalorização das bolsas de pós do governo federal comaprado à FAPESP

Vejam só que interessante. Em primeiro lugar vamos notar que é verdade, os valores sempre estiveram acima, apesar de que em um bom período de tempo a bolsa DR-I esteve só R$40 acima da bolsa de doutorado federal, vantagem que voltou a se ampliar com o último aumento agora em Março de 2010.

Vamos voltar no tempo agora. Um fato importante a se observar é que de 1996, época em que começou aquela política de congelamento dos valores também no governo Federal, até 2006, não houve aumento. Ou seja, ficaram quase dois anos depois que o Governo Federal deu o primeiro reajuste sem fazer o mesmo. Só nas bolsas de pós doc houve aumento, e para um valor consideravelmente alto, o que foi compensado depois de um tempo. Desde 2006 o valor do pós-doc passou a ser quase igual ao dobro do valor das bolsas DR-II. Antes era o dobro do DR-I.

Pra quem não conhece, as bolsas da FAPESP funcionam assim: existem níveis que você vai escalando ao longo do tempo. O DR-I dura o primeiro ano, depois você passa pro DR-II e ganha um aumento de 23,8%. O DR-II dura teoricamente apenas dois anos, tornando o prazo total financiado da FAPESP de apenas três anos enquanto as instituições federais pagam por 4. Parte da idéia é estimular as pessoas arrumar bolsas no exterior e passar um ano lá, parte é só apressar mesmo.

Como a FAPESP dá esse aumento, e ainda espera que você termine logo, fica mais aceitável que os reajustes levem mais tempo para ocorrer, dois anos como tem sido a média do governo federal. O mesmo ocorre com os professores: ganham mais e podem subir de nível… As bolsas federais precisavam ou de um aumento deste tipo, ou de reajustes mais frequentes (ou de mais flexibilidade para permitir serviços extras.)

Agora, é interessante notar que não está havendo aumento real nas bolsas da FAPESP. Se sair um aumento nas federais de 10% agora no meio do ano vamos colar novamente no DR-I, e se for pra mais vamos ultrapassar pela primeira vez em muitos anos. Imagino se a FAPESP “correria atrás” caso isto ocorra, ou deixaria os alunos em mais sérias dúvidas na hora de aplicar.

Resumindo, a FAPESP tem dado reajustes a cada dois anos, tão infrequentemente quanto a Capes e o CNPq, porém são valores mais altos, e a bolsa prevê um aumento e tem um prazo menor. Uma outra vantagem é que parece ser mais confiável que vão dar aumento todo mês de Março a cada dois anos, enquanto o governo federal promete algo, não cumpre a tempo, e depois ainda deixa na dúvida sobre o próximo.

Um fato relevante é que a FAPESP não está dando aumento real. O valor da bolsa está se mantendo no patamar de 2003, enquanto que o governo federal está conseguindo, aos trancos e barrancos, manter o plano do PNPg. “Só” basta um aumento de 20% em Julho pra chegar nos 50% reais, por um fio. (Quer dizer, trapaceando e contando o aumento desde antes de 2004, senão faltaria mais um bocado.)
Notem ainda que a bolsa de mestrado da FAPESP manteve uma proporção de 2/3 da de doutorado, igual ocorre com as federais.

Anúncios

2 Respostas to “Acompanhando o garrote”

  1. daniel Says:

    E aí? Como anda a situação atual? O tempo passa e nada acontece…..

    • nlw0 Says:

      Olá, Daniel. Ontem mesmo eu escrevi um novo artigo sobre o assunto.

      A Fapesp deu aumento agora em Abril. Mas nada da Capes e CNPq. Nem uma promessa nem uma estimativa nem um “não sei” como o presidente do CNPq disse em entrevista no começo de 2010 e acabou sendo um “não”. A inflação já está em 16%…

      O pessoal da ANPG andou agitando lá em Brasília, entregaram o abaixo assinado pra presidente com umas 40 mil assinaturas, acho. Vamos ver se sai algo.

      Um tempo atrás escrevi pro CNPq e recebi uma resposta, disseram que estão cientes da questão e se esforçando pra dar um jeito… Pelo menos isso. A Capes nunca respondeu meus e-mails.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: